Moro diz que usará modelo da Lava Jato para combater crime organizado

O juiz federal Sergio Moro disse nesta terça-feira (6) que atuará no comando do Ministério da Justiça e Segurança Pública, a partir de 2019, utilizando o modelo da Operação Lava Jato para combater o crime organizado e que vai trabalhar sem “perseguição política”. Moro afirmou ainda que recebeu a sondagem para participar do governo Bolsonaro em 23 de outubro, antes do segundo turno.

O que Moro disse na entrevista:

  • Lava Jato será modelo contra corrupção e crime organizado
  • Integrantes da Lava Jato são considerados para equipe
  • Quer aprovar parte das “dez medidas contra a corrupção”
  • Recebeu sondagem para ser ministro em 23 de outubro
  • Reiterou que atuará como ministro em uma “função técnica”
  • Disse que não pode se pautar por ‘álibi falso’ de perseguição
  • Caso Marielle tem que ser solucionado
  • Não pretende criminalizar manifestações sociais
  • Analisar a abrangência da lei atual sobre mortes em confrontos policiais
  • Disse ser a favor de reduzir a maioridade penal para crimes graves
  • Quer investir em tecnologia para elucidar crimes
  • Discutir possível ida ao STF só no futuro, quando houver vagas
  • Não vê riscos à democracia e ao Estado de direito
  • Contra fechar a fronteira com a Venezuela

Durante mais de uma hora e trinta minutos, em Curitiba, Moro concedeu a primeira entrevista coletiva desde 2014, quando assumiu operação. Antes de os repórteres começarem as perguntas, o juiz fez um histórico da operação e disse ter aceitado o convite do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) para implantar no governo federal uma “forte agenda anticorrupção” e “contra o crime organizado”.

Atuação no ministério seguindo a Lava Jato

Moro afirmou ter aceitado o ministério para implantar “uma forte agenda anticorrupção” e “contra o crime organizado”. Segundo ele, a ideia é replicar no ministério as forças-tarefas adotadas na Operação Lava Jato. Ele cita como exemplo a atuação do FBI no combate às máfias em Nova York.

Sem dar detalhes, Moro afirmou que apresentará uma série de propostas de combate ao crime organizado. A ideia, diz, é resgatar parte das “dez medidas contra a corrupção”, proposta encabeçada pelo Ministério Público Federal.

Entre as propostas está a possibilidade de os procuradores negociarem a pena (“plea bargain”), o que, afirma Moro, ajudaria a aliviar a Justiça, e aumentar a proteção de denunciantes anônimos.

“A ideia é que essas reformas sejam propostas simples e que possam ser aprovadas em um breve tempo. Sem prejuízo de que propostas mais complexas – e existem várias propostas um pouco mais complexas dentro dessas novas medidas – sejam apresentadas no momento um pouco posterior ou paralelamente. Mas a ideia é apresentar alguma coisa simples e de fácil aprovação no âmbito do Congresso.”

Fonte: Globo.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *